A dor da perda

Hoje, perdi uma pessoa muito querida.  Só quem perde um pessoa próxima ou uma pessoa que ama muito consegue saber a dor do momento.  Seria possível superar essa dor? Como?
Quando se trata de perda, não existe regra. Existem fases e não vou comentá-las a fundo neste post.
Independente de crença ou religião, sempre é muito difícil. A perda sempre envolve raiva, tristeza, revolta, mas tende a se concluir com a aceitação. E esta aceitação faz toda a diferença.
Para você que enfrenta essa dor irreparável, lembre-se de algumas coisas: Não se culpe, compartilhe seus sentimentos, evite se isolar, reorganize sua vida sem pressa, não se sinta culpado por estar triste, não tenha  pressa em ficar feliz novamente e se precisar conte com ajuda profissional.
Algumas teorias, inclusive psicanalíticas, tentam impor um prazo para estas fases. Não existe tempo.  Cada pessoa pode reagir de alguma forma.  Tenha o seu tempo.
Vou contar uma coisa. Toda vez que escrevo um texto, penso em alguém real que me escreveu ou que está passando por esta terrível situação que é a perda.  a postagem de hoje vai para uma pessoa que sempre lê o que escrevo. A mensagem de hoje, vai para você, que sei que está doendo muito, e que neste momento tão difícil que estamos passando, precise de um abraço que talvez não receba, um beijo que talvez não possa dar, um ombro que talvez não tenha por perto para chorar e agora não tem a pessoa querida ao seu lado para poder contar.  Conte com a gente aqui sempre. Amamos você.

Marcelo Schultz

Marcelo Schultz

Psicanalista e autor do site.

Compartilhe:

Facebook
LinkedIn
WhatsApp

Deixe uma resposta

Fale comigo.

contato@marceloschultz.com.br